SORRISOS de criança

Um espaço dedicado ao interesse dos pais, encarregados de educação, educadores de infância, professores e crianças
 
InícioPortalCalendárioGaleriaFAQBuscarRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
Quantos nos visitam

Regista-te neste fórum
Faz o teu registo para teres acesso a tudo... é muito fácil e poderás aceder a todo o conteúdo deste fórum
Social bookmarking
Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de SORRISOS de criança em seu site de social bookmarking
QUEM NOS VISITA


Novembro 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930   
CalendárioCalendário

Compartilhe | 
 

 Será que existe um problema auditivo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Elsa
Fundadora
Fundadora
avatar

Feminino Mensagens : 4941
Pontos : 9601
Data de inscrição : 27/09/2013

MensagemAssunto: Será que existe um problema auditivo   Seg 30 Set 2013, 00:38

Diagnóstico precoce e coragem para lidar com o assunto são as chaves para garantir à criança com problema auditivo uma infância saudável e feliz

Aceitar que seu filho possa ter algum tipo de problema auditivo não é nada fácil, mas o diagnóstico precoce faz toda a diferença para proporcionar a criança uma vida normal e feliz. E como saber se a saúde auditiva do seu filho vai bem? Existem sinais que tornam possível perceber se uma criança possui ou não deficiência auditiva, explica a fonoaudióloga Tatiana Ottoni. Identificado qualquer sintoma, é essencial procurar um otorrinolaringologista para fazer o correto diagnóstico.

Segundo ela, bebés com problemas auditivos normalmente não reagem a estímulos sonoros. Como não se assustar quando uma porta bater. Também são bebés que não balbuciam. Além disso, tendem a chorar muito porque não têm a sensação da mãe por perto a não ser que a estejam vendo. “Um exemplo disso é que se a mãe estiver lavando louça na pia da cozinha, longe do carrinho, o bebé tenderá a chorar porque tem a sensação de solidão”, explica. Em crianças maiores, a fonoaudióloga alerta que é comum a troca na fala e uma demora excessiva no desenvolvimento da linguagem. “Os pais devem ficar muito atentos e ao menor sinal de problema procurar um otorrinolaringologista para fazer a audiometria, teste capaz de detectar se a criança tem algum problema auditivo.” Recentemente, uma lei federal tornou obrigatório em maternidades de todo o país, o teste da orelhinha, exame capaz de detectar em bebés recém-nascidos a existência de problemas auditivos.

Ao passo que o apoio dos pais e da família é muito importante para o rápido diagnóstico e tratamento, não procurar ajuda pode causar prejuízos não só no desenvolvimento linguístico, como intelectual e emocional da criança. “São crianças que tendem a ficar isoladas e ter mais dificuldade para se relacionar, complicações que podem se estender para a vida toda. Por isso, é importante se informar”, explica a fonoaudióloga.

Estima-se que a cada mil crianças nascidas três apresentam deficiência auditiva. É comum pensar que os exames diagnósticos devem ser feitos apenas em crianças que apresentam algum factor de risco relacionado a esta deficiência, porém, sabe-se que 50% dos casos não apresentam pré-disposição para problemas auditivos. No Brasil, a maioria dos casos encontrados tem origem não-genética, sendo causados por factores pré-natais (rubéola da mãe durante a gestação), peri-natais (falta de oxigénio durante o parto) ou pós-natais (caxumba, sarampo, meningite, otites médias). A maior parte destes problemas pode ser evitada por meio de vacinas e tratamentos medicamentosos.

É importante tomar cuidado também na amamentação de bebés. Pouca gente sabe, mas dar mamadeira para o bebé deitado pode fazer mal, já que na orelha média, há um canal chamado tuba auditiva, que faz a comunicação do ouvido com a garganta e é responsável por regular a pressão nos ouvidos. Os bebés possuem a tuba auditiva mais horizontalizada e, portanto, se dermos a mamadeira com ele deitado, o leite poderá ir para o ouvido e causar dores ou infecções no ouvido gerando outras complicações.

Qualquer recém-nascido pode apresentar um problema auditivo ou adquiri-lo nos primeiros anos de vida, mesmo que não haja caso de surdez na família ou factores de risco aparentes, como no caso de mães que tiveram rubéola durante a gravidez.
Quando a deficiência é diagnosticada precocemente, dificuldades na comunicação oral e até o risco da criança ficar muda podem ser evitados. Um dos principais problemas no diagnóstico tardio é o desenvolvimento da fala. Isso porque a criança aprende a falar ouvindo, portanto, a fala é prejudicada devido à falta de estímulo pela audição.
De acordo com a fonoaudióloga Marta Maria Ribas, o ideal é que todos os bebés sejam submetidos ao teste de alta emissão, o chamado “teste da orelhinha”, responsável pela detecção de algum prejuízo na audição dos pequenos. “O exame é extremamente importante, principalmente para os bebés que permanecem nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) após o nascimento, devido ao barulho constante do ambiente e dos equipamentos existentes no local”.
Segundo ela, outro factor que merece atenção é a otite, infecção no ouvido desenvolvida pelo acúmulo de líquido no sistema auditivo. “Ingerir o leite da mamadeira deitado pode desviar o conteúdo e desenvolver o problema. Se as inflamações acontecerem repetidamente, podem ser prejudiciais para o sistema auditivo das crianças”, explica a fonoaudióloga.
Traumas ou exposição constante à poluição sonora também podem prejudicar o sistema auditivo dos pequenos. Quedas graves e traumas ocasionados por ruídos muito fortes, como as bombinhas de festas, por exemplo, também podem levar a perdas auditivas parciais ou totais.
Há ainda a questão da acomodação auditiva: pesquisas revelam que há possibilidade de uma acomodação auditiva em decorrência da exposição contínua a sons excessivamente altos. De acordo com a audiologista Sabrina Lechugo Siqueira, “isso não representa uma perda imediata, mas pode levar a futuros problemas auditivos. É o caso da utilização de walkman em alto volume”. Vale lembrar que os danos só ocorrem quando a exposição é constante e por um longo período de tempo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://sorrisos.forum-livre.com
 
Será que existe um problema auditivo
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Problema - (idades das meninas)
» Depressão: Um problema de ordem espiritual e/ou psíquico?
» Indígenas, canibais e etc\'s serão salvos?
» internet: será a marca da globalizaçao do dominio da besta?
» A ressurreição dos Justos será antes ou depois do milênio ?

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
SORRISOS de criança :: ✮☆✮ Ser Especial ✮☆✮ :: Problemas auditivos-
Ir para: